Executivos de grandes empresas brasileiras lançam instituto de combate à corrupção

Objetivo é difundir conhecimento na área, manter diálogo com o poder público e colaborar com a mudança da sociedade em geral

Redação, www.administradores.com, 16 de dezembro de 2014 , às 13h09

Seis, em cada dez empresas, não estão preparadas para cumprir a lei anticorrupção (Lei 12.846/2013) no Brasil, que entrou em vigor há quase um ano e pune, com multas de até 20% do faturamento bruto, empresas envolvidas em fraudes (segundo levantamento realizado pela consultoria internacional Grant Thornton). Assunto de grande polêmica da advocacia em 2014, a preocupação com o compliance teve forte crescimento por conta desta Lei. Com o intuito de fomentar e centralizar os debates sobre o tema e promover a compreensão do conceito de governança corporativa, foi lançado, no dia 9 de dezembro, o Instituto Compliance Brasil.

“Posso dizer que eu, e todos os associados, temos um sonho em comum: o sonho de mudar o Brasil. Cada um de nós compomos um braço importante dentro do Instituto”, comenta Sylvia Urquiza, presidente do instituto, que começou suas atividades já com um quadro de associados de peso.

Entre eles Arnaldo Figueiredo Tibyriçá, vice-presidente jurídico da Editora Abril, que esteve presente na noite do lançamento, declarou estar muito contente com o convite para fazer parte do Instituto: “O Instituto Compliance representa uma causa que move a minha vida, é uma causa que direciona a sociedade para um mundo melhor e que faça jus à nossa condição de seres humanos. É importantíssimo lembrar que quem participa são os profissionais, e não as empresas, por isso estou muito feliz e dedicando essa nova fase da minha vida à essa causa”, declara Tibyriçá.

Rogéria Gieremek, consultora Global do Programa Compliance do Serasa Experian afirmou que a criação do Instituto é fundamental para o momento em que o país vive: “Embora triste, o momento em que vivemos coloca uma luz num assunto que hoje, é discutido na mesa de jantar da família. A cultura brasileira tem uma tolerância muito grande para pequenas corrupções e não existe diferença entre as pequenas ou as grandes. Precisamos diminuir a tolerância e criar a noção de justiça já que hoje, não se aceita mais aquilo que aceitavam antigamente. As grandes empresas tem obrigação de levantar essa bandeira. Nós temos sim condições de mudar essa realidade”.

Com menos de um ano de casa, Adriana Duarte Carvalho, diretora jurídica do SBT, está empenhada em tornar a emissora uma forte aliada ao assunto: “Devemos nos unir para difundir uma prática que, no Brasil, é tão pequena em relação a outros países. Não só a emissora mas toda a holding está engajada nessa prática. Ainda estamos engatinhando mas, mesmo assim, muito felizes e esperançosos com o rumo que o assunto tem tomado. Eu estarei junto do Instituto Compliance Brasil para tornar o assunto cada vez mais presente dentro de outras empresas”.

Com a Lei anticorrupção e o Compliance sendo assuntos tão fortes no País, fica evidente a necessidade das empresas em manter controles adequados e efetivos de prevenção à corrupção. “O maior desafio é desenvolver uma cultura de compliance em uma empresa e, contando com associados fundadores, profissionais tão representativos nas empresas onde atuam, podemos garantir que o assunto será cada vez mais falado e fiscalizado”, finaliza Sylvia.

Clique aqui para conferir a matéria.